Jornal do Cidad�o

Curitiba, 02 de setembro de 2014
Curitibano

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

15
dez
10

,

Meu filho está com febre – o que eu devo fazer?

Por: Jornal do Cidadão

febre-correto
Febre é o aumento da temperatura corporal, que pode ocorrer por vários motivos, como nas infecções por exemplo.

A temperatura normal do corpo medida na axila varia entre 36 e 37°C. Pode-se dizer que a criança está com febre quando a temperatura axilar é maior que 37,5°C. É muito importante medir a temperatura com termômetro, pois esta é a melhora forma de ter certeza que é febre mesmo.

A criança com febre toma mais água que o normal, o coração pode bater mais acelerado, respiração rápida e mãos e pés frios. Esses achados são mais freqüentes nas temperaturas mais elevadas como 39º C.

Febre é um sinal de alerta e não necessariamente significa que a criança tem uma doença grave. Ela pode estar presente em uma série de situações como infecções, inclusive em resfriados comuns. O importante é identificar em quais situações é preciso atendimento médico.

Sinais de alerta que indicam necessidade de atendimento médico:
•Criança que não consegue mamar ou ingerir líquidos;
•Vomita o que ingere;
•Apresentou convulsão;
•Criança que só quer dormir;
•Sem vontade de brincar ou com dificuldade para respirar;
•Temperatura maior que 39°C;
•Febre que dura mais que 3-5 dias;
•Criança que sofre de alguma doença crônica;
•Crianças com menos de 3 meses de idade.

O que Fazer quando a criança apresenta febre:
Algumas medidas gerais podem ajudar no cuidado da criança com febre, apesar de não serem muito eficazes. Essas medidas devem ser utilizadas se fizerem a criança sentir-se melhor:
•Dar banhos mornos;
•Oferecer mais líquidos para a criança;
•Colocar vestimentas leves.

O que NÃO fazer quando a criança apresenta febre:
•Dar banhos frios na criança, proporcionando desconforto;
•Utilizar panos com álcool na criança.

Medicamentos contra a febre:
As medicações que diminuem a temperatura da criança são conhecidas como antitérmicos ou antipiréticos.

Situações em que os antitérmicos devem ser utilizados:
•Quando a febre trouxer desconforto ou incômodo para a criança;
•Para crianças susceptíveis a crises convulsivas: crianças de 3 meses a 5 anos que tenham antecedentes familiares de convulsões;
•Crianças com febre e doenças crônicas, como problemas cardíacos, pulmonares ou neurológicos.

Lembrete: crianças saudáveis com temperaturas abaixo de 38ºC não necessitam tomar antitérmicos, pois neste caso a febre pode até ajudar a combater o agente infeccioso.

Que antitérmicos podem ser utilizados?
As medicações mais utilizadas são o paracetamol, a dipirona e o ibuprofeno e devem ser utilizadas em doses e intervalos corretos.

O paracetamol pode ser dado para crianças de todas as idades, desde o período após o nascimento. Já a dipirona só pode ser administrada a partir de 3 meses de idade e o ibuprofeno a partir de 6 meses.

Dosagens corretas:
•Paracetamol: Uma gota para cada um quilo de peso, pela boca, até 4 vezes ao dia (não dar em intervalos menores que 4 horas!) Exemplo: criança com 10 quilos de peso, dar 10 gotas de paracetamol, no máximo 4 vezes por dia.
•Dipirona: meia gota para cada um quilo de peso, pela boca, até 4 vezes ao dia (não dar em intervalos menores que 6 horas!). A dose máxima total POR DIA é de 60 gotas para crianças com até 6 anos, 120 gotas para crianças entre 6 e 12 anos, 160 gotas para crianças maiores que 12 anos. Exemplo: criança com 10 quilos de peso, dar 5 gotas de dipirona, no máximo 4 vezes por dia, não ultrapassando a dose máxima para a idade.
•Ibuprofeno: uma gota para cada um kg de peso, por via oral, 3 a 4 vezes ao dia (não dar em intervalos menores que 6 horas!). A quantidade máxima POR DOSE são 20 gotas. Exemplo: para uma criança com 25 kg de peso, dar 20 gotas de ibuprofeno, no máximo 4 vezes por dia.

Dicas importantes:
Os pais devem ficar tranqüilos e evitar o uso excessivo de medicamentos, pois a grande maioria dos casos de febre é devida a doenças leves e que vão melhorar sozinhas em poucos dias.

Por fim, é muito importante ficar atento aos sinais de alerta, e procurar atendimento médico caso qualquer um deles apareça ou sempre que houver dúvidas.

Autores:
Bruno Zampiri de Pieri - Aluno do 9º período do curso de Medicina da Universidade Federal do Paraná veiobgzp@hotmail.com
Cristina Rodrigues da Cruz – Professora Adjunta do Departamento de Pediatria Serviço de Infectologia Pediátrica criscruz@ufpr.br
Ilustrador – Juliano Tortelli julianotortelli@gmail.com

 

2 comentários para “Meu filho está com febre – o que eu devo fazer?”

  1. Jéssica disse:

    Minha filha está com febre há 2 dias e ela fica meio que “delirando” quando a febre passa de 39ºC, ainda tá nascendo os dentinhos e o médico diz que é os dentes, mas ele nem chega examinar minha filha e passa qualquer remédio, até de infecção de garganta eles passam, agora não dá pra confiar nesses médicos, que dizem ser “Profissionais”.
    Eu dava Dipirona pra ela, mas ela vomitava tudo, depois troquei pelo Paracetamol, mas a febre passava e voltava rapidinho, agora eu tô dando Ibuprofeno, e assim que ele começa funcionar, a febre passa e ela brinca bastante, mas quando passa o efeito do remédio, a febre parece que volta mais alta e ela fica toda aguniada, delirando…
    Ja conversei com os médicos e eles dizem que é porque a febre tá muito alta pra ela, mas nunca eles resolvem nada pra gente, só sabem receitar remédio que custam os olhos da cara.
    Eu sempre dou remédio e banho morno, e durante o dia é uma beleza, parece que a febre não vai voltar mais, mas é só anoitecer que começa tudo de novo!!!
    Bom, desejo pra todas as crianças e as mamães assim como eu, ter mais paciência, até porque se ficar estressada nessas horas só piora a nossa situação…

  2. Alexandre disse:

    Tenho 23 anos e estou fora de casa a trabalho. Fiquei com febre e na madrugada de hoje comecei a delirar, tudo parecia que estava acontecendo mais rápido e com mais intensidade, é uma sensação horrível! Procurei na internet os motivos disso e as soluções e na verdade a leitura de um artigo foi q me tranquilizou. Ou seja, lendo, me concentrando na leitura, fui acalma do meus batimentos e me livrei do delírio.
    Eu só queria entender o q é este delírio!

Deixe um comentário

RSS
 
Links �teis
Telefones Úteis
Categorias
Arquivos
Nuvem de Tags
 
Editora Novos Tempos
Diretora de redação e jornalista responsável: Josiane Benedet
Diretora administrativa: Cristina G. M. de Carvalho
Gerente comercial: Mara Araújo
Projeto Gráfico e diagramação impresso: Aurélio Dominoni
Projeto Gráfico e diagramação web: Redirect Digital Marketing www.r3direct.com.br

Fale conosco:
Dúvidas sugestões, críticas ou reclamações:
redacao@jornaldocidadao.com.br

Para anunciar:
(41) 3013-4936
jornaldocidadao@jornaldocidadao.com.br
mara@jornaldocidadao.com.br
 
 
10 Posts mais lidos
Redirect Digital Marketing